27 de nov de 2008

..PRODUÇÃO DE UMA BANDA...


Um Bate Raio No Bar, De Bar Pro Ar Com O Raio




Esta é a Coluna #1 de três colunas sobre produção musical, ela foi escrita pelo produtor e tecladista RODRIGO SIMÃO. Rodrigo já participou em diversos grupos de música instrumental e bandas de apoio a cantores. Atualmente trabalha como tecladista do DR. SIN e lidera a banda COLONY, que recebeu o prêmio de Revelação de 2000 do Beaver Music Festival (festival de bandas independentes realizado na Califórnia - USA). Também é arranjador e produtor musical para bandas e participa em trilhas sonoras para curta-metragem. Já atuou como produtor musical no programa "No Agito" (Canal 21), tecladista no programa "Festa do Malandro" (TV Gazeta) e compositor de jingles para programas da TV Gazeta e Rede TV. Agora também é colunista na And Heavy Metal For All.





Coluna #1: A Produção de uma Banda


A vida é curta para se aprender tudo aquilo que se deseja... No entanto, isso não pode ser desculpa, para que não tomemos uma iniciativa de nos aperfeiçoar em atividades que a vida nos proporciona, ao invés de simplesmente deixarmos a vida passar, não é? Alguns tentarão, portanto, ser bons surfistas ou fotógrafos. Outros, por que não? Bons músicos, produtores, organizadores de eventos... Enfim, essa coluna é destinada você!
Sim, acredite na força do universo e saiba que muitas coisas vão mudar a partir desse nosso bate-papo virtual. Bem... Antes que você me chame de "PAI DINÁ", vamos falar do que realmente me proponho, A PRODUÇÃO DE UMA BANDA. Nessa coluna irei tratar de todos os aspectos que envolvem uma banda, por exemplo: formação, local de ensaio, repertório, equipamentos, gravação de CD, release, mapa de palco, set list, como fazer uma boa entrevista, registros de músicas, direitos autorais, divulgação, OMB, brigas internas, como dar autógrafo, como rezar, como ser bonzinho [risos], etc.

Para começar, quero romper todas as barreiras de idéias românticas e ultrapassadas com relação a sucesso, fama e dinheiro. Para quem pensa que uma "banda de garagem" pode ser descoberta por um "caça talentos" e que essa mesma figura mitológica vai colocar os sortudos no palco do Rock in Rio num passe de mágica... ESQUEÇA! Se você não for ganhador da MegaSena acumulada, vai ter mesmo que somar: talento, força de vontade, organização, boa música e sorte.
Para ficar mais fácil e divertido, imagine que você esteja indo a um hipermercado das artes, anote bem os ingredientes:

1. Banda (defina sua formação, ex: baixo, bateria, guitarra, voz, teclado...).
2. Local de ensaio (estúdio, garagem, despensa da mãe...).
3. Equipamentos (instrumentos, caixa de som, amplificadores, microfones...).

4. Repertório (mapa das músicas).

5. Objetivo (show, gravação, festival...).

Comentários:

1. Banda: Defina quantos integrantes vai ter e que instrumentos irá tocar. É claro que o estilo interfere de forma direta nessa decisão. Basicamente existem duas formas de ter um bom relacionamento com os integrantes, por amizade e/ou afinidade de gostos ou por interesse profissional e/ou financeiro. Realmente parece um casamento, o ideal é o equilíbrio dos dois.
2. Local de Ensaio: Tente ensaiar em locais que possibilitem ter uma qualidade de acústica. Eu mesmo já ensaiei em quarto, sala, cozinha abandonada, garagem, despensa de alimentos, salão vazio, etc, mas realmente fica difícil e muito ruim de se ouvir, interferindo no humor e na qualidade das musicas. Recomendo alugar um estúdio de ensaio. Atualmente custa em média R$ 20,00 por hora. A vantagem é que já tem todos os amplificadores, microfones e o corpo da bateria (sempre leve pratos, caixa, pedal de bumbo e os instrumentos musicais). Se não tiver muita "grana" improvise colando caixa de ovo nas paredes de um quarto ou garagem. (Lembre-se: No máximo 3 horas. Mais que isso fica chato e improdutivo).
3. Equipamentos: O equipamento diz muito sobre o músico, salve exceções como Hermeto Pascoal (músico que tira som até de um copo com água), mas é importante os instrumentos serem bem afinados e de boa qualidade, juntamente com seus cabos e acessórios.
4. Repertório: Defina com clareza as músicas que serão ensaiadas e faça um mapa de cada uma. O mapa musical deve ter anotações de introdução, solos, refrão, compassos, tonalidades, enfim tudo para evitar disputas de quem sabe mais ou automaticamente ser mais uma banda chamada T.N.T ("todas na trave"). Para evitar problemas, grave um CD, fita, MP3 ou partitura das músicas e forneça para cada integrante com um tempo suficiente para o estudo das mesmas.
5. Objetivo: Tenha bem claro o objetivo do ensaio. Se for para preparar um show, gravação, teste ou até mesmo só diversão, mas tenha isso bem claro e que todos fiquem sabendo antes!
Bem...
No próximo post de: Um Bate Raio No Bar, De Bar Pro Ar Com O Raio abordando itens como: release, mapa de palco e muito mais novidades desse incrível mundo da produção de uma banda.


Postado Por: Aime Pereira, Coord. Núcleo de Distribuição.

5 de nov de 2008

Festival Machado: sucesso inesperado!

(Eclipse Final -Rock Cristão)

Nos dias 24, 25 e 26 de outubro, foi realizado na cidade de Ji-Paraná/RO, o FESTIVAL MACHADO, produzido por Mariana Paio e Samira Lima com patrocínio da Fundação de Cultura. O evento contou com onze bandas de Ji-Paraná, uma de Cacoal (Relicário), e duas de Porto Velho (Ultimato e Bicho Du Lodo).
O evento consistiu em uma seleção de bandas que, ao se inscreverem, estariam participando de uma “peneira”, sendo que as escolhidas pelo júri – formado por músicos e representantes da fundação – gravarão um disco que será totalmente financiado pela mesma Fundação.
Nos dois primeiros dias foi realizada a seleção e no último, apenas as vencedoras tocaram. As bandas vencedoras foram: Di Marco, Neófitos, Relicário, Eclipse Final, Calibre A gosto e Tatudikixute.
Segundo os produtores do evento, serão prensadas mil cópias do disco, sendo que 960 serão divididas entre as bandas e 40 serão enviadas para produtores e festivais de todo o Brasil.


(Bate-papo com Samira Lima)

Além da presença do Raio no último dia do festival, esteve presente também a rádio PVH CAOS, que transmitiu todo o festival pela internet.
A produção do evento, que não esperava a proporção que o Festival tomou, se mostrou bastante animada e otimista com a idéia da implantação de um coletivo de bandas independentes na cidade, realizando festas periódicas e promovendo o intercâmbio entre as cenas próximas.


(Di Marco)

Apesar da boa aceitação, ficou evidente que a maioria das bandas, ainda está no processo de migração de repertório de covers para um trabalho autoral mais criterioso. O grande destaque foi a banda Di Marco que, com um repertório já desenvolvido, obteve um espaço de três canções no disco que terá quatorze faixas no total.

Por Marcos Fonseca e Gregory Thiago